sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Todos os dias, ela ia ali, naquele bar de esquina, e esperava...
Vendo os carros passarem, vendo as pessoas andarem .
Pedia ao garçon um copo pequeno de vinho, e pagava com as moedas que ganhava
na longa jornada do dia vendendo desenhos .
Sentava, e apenas esperava ...
Esperava o vento, esperava a lua cheia, esperava o último ônibus da noite .
Todos os dias, as mesmas pessoas, o mesmo corre corre, a mesma rotina .
Colocava, diariamente, suas bijuterias mais refinadas, a sua roupa mais descente,
e corria pro bar. E ali ficava .
Ficava esperando ... Por um novo amanhã em que pudesse fazer tudo o que quisesse,
pudesse ser livre da pressão da sociedade. Ficava esperando uma oportunidade de parar
o tempo, de voltar às lembranças de um passado cada vez mais distante .
E esperando, quem sabe, por um amor perdido que jamais viria ...

2 comentários:

Aline Souza disse...

Carambaaaaa!!

Luh.. que texto perfeitoooooo
Amei lindaaaa!!!
Poético, PERFEITO!!

MandiinhaAvb ' disse...

Caaraambaa [2] Tiiaa !

Amiiga ! ée simpliismeente perfeeito o texto :O

Lindoo , lindoo e lindoo !

Postar um comentário